terça-feira, 8 de agosto de 2017

Fidedignidade: uma questão de pesquisa

Fidedignidade: uma questão de pesquisa
Cristina Maria Rosa

Na aula de Literatura Infantil do dia 08 de agosto de 2017 dialogamos sobre fidedignidade. O assunto surgiu a partir dos resultados de pesquisa comunicados em recente evento, quando parte das informações disponibilizadas pelos pesquisadores foram contestadas. Esse episódio – rico para quem pesquisa – evidenciou, para nós autores, o quanto um público culto, bem informado e atento é importante para que aprendamos mais e mais.
Mas vamos ao que nos propusemos...
Tu sabes o que é fidedignidade?
É ser fiel à verdade, ser leal, exato, verídico. Em pesquisa, é ser capaz de expressar o que se os dados revelam. Para o dicionário Aurélio, é a “Qualidade daquele ou daquilo que é fidedigno” e fidedigno, é “digno de todo o crédito”.
Todo pesquisador, mesmo que discorde de resultados de pesquisas a partir de evidências que os dados revelam, deseja ser fidedigno. Deseja ser capaz de revelar, a si mesmo e aos demais, as informações que, em entrevistas, questionários e observações pode colher como retrato de um tempo, um momento, uma realidade.
Mas pesquisar é muito mais do que ser fidedigno, uma vez que pressupõe relação entre dados. E essas relações são de vários tipos, entre eles, as relações de inteligência (pensar) sobre as revelações, de dúvida (questionar) sobre os dados e suas revelações, de ponderação (supor) sobre o evidenciado, de afirmação (concluir) de pequenas “verdades” e de estabelecimento de parâmetros (generalizar) para pesquisar mais e com maior afinco.
No entanto, nenhuma pesquisa pode deixar de ser fidedigna, sob o risco de perder a credibilidade.
Pesquisa Qualitativa
A pesquisa e, especialmente, a pesquisa de cunho qualitativo, de acordo com Van Zanten (2004) pressupõe que o ponto de vista do investigador seja “um pouco mais válido do ponto de vista científico” que os demais olhares a respeito do mesmo fenômeno, pois este olhar – o do pesquisador – “representa rigor no trabalho de investigação”.
Por ser um trabalho no qual se aplica técnicas, seus resultados se inscrevem em um campo de produção científica, mesmo quando se trata de um estudo pequeno, localizado. Assim, sua validade diz respeito à contribuição que oferece a um conhecimento já existente.
É bom lembrar que toda investigação aponta algo novo ao campo total de conhecimento e esse “novo” pode ser um olhar a respeito de um fenômeno, uma forma de olhar, um recorte que revela algo inusitado, uma peculiar relação estabelecida entre dados e mesmo, a negação de tudo que anteriormente se sabia a respeito do estudado.
A questão central em pesquisa qualitativa não é o tamanho do grupo que se estuda e, sim, o enfoque que se pode dar aos dados revelados. E não se pode ignorar que a maneira como são restituídos os resultados também produzem efeitos nas idéias e em sua generalização. Ou seja, a cada vez que se disponibilizam dados coletados, estes se integram ao público que os conhece que, desta forma, se torna mais culto em relação ao fenômeno.
Fidedignidade: os títulos lembrados
Na aula de hoje o tema foi Fidedignidade. Para exemplificar o que é e como essa expressão aparece no campo da pesquisa qualitativa, realizei, com as alunas presentes, uma mini investigação: solicitei que todas respondessem se alguém já havia lido um texto, um livro ou mesmo um fragmento de livro para elas na Universidade. Todas responderam que sim.
O próximo passo foi solicitar que escrevessem, em seus cadernos, quais os títulos e autores do texto ou dos textos que lhes haviam sido apresentados. Poderiam também, utilizar os gêneros conhecidos na disciplina, uma vez que o foco da Literatura Infantil I ofertada de forma optativa na Licenciatura em Pedagogia, é o contato intenso com gêneros, autores e obras.
Depois de certo tempo, uma a uma, todas leram, em voz alta e para as colegas, os títulos que lhes ficaram na memória. E foram setenta e cinco os títulos lembrados, entre clássicos da literatura universal, clássicos brasileiros, regionalistas, poetas encantadores e autores moderníssimos. Do total de textos mencionados, 38 (50,66%) representaram a variedade, uma vez que muitos leram ou lembraram as mesmas obras.
Quer conhecer os mencionados? A seguir, em ordem alfabética de títulos e com fidedignidade, o resultado da pesquisa de hoje.
Títulos e seus autores:
1.                  A cozinha encantada dos contos de fada, de Katia Canton;
2.                  A história mais triste do mundo, de Mário Corso;
3.                  A revolta dos gizes de cera, de Drew Day Walt e Oliver Jeffers;
4.                  A vida do Elefante Basílio, de Erico Verissimo;
5.                  Artinha de Leitura, de João Simões Lopes Neto;
6.                  As aventuras do avião vermelho, de Erico Verissimo;
7.                  Assim assado, de Eva Furnari;
8.                  Azul e lindo planeta terra nossa casa, de Ruth Rocha;
9.                  Baú de espantos, de Mário Quintana
10.              Biblioteca, de Manoel de Barros;
11.              Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque;
12.              Chapeuzinho Vermelho, de Charles Perrault;
13.              De fora da Arca, de Ana Maria Machado;
14.              Dona Baratinha, de Ana Maria Machado;
15.              Fadas no Divã, de Diana e Mário Corso;
16.              Histórias do Mundo para crianças, de Monteiro Lobato;
17.              Lobato em Quadrinhos, de Monteiro Lobato;
18.              Lulu, de Fabrício Carpinejar;
19.              Mania de explicação, de Adriana Falcão
20.              Memórias da Emília, de Monteiro Lobato;
21.              Monstruário, de Mário Corso
22.              Não confunda, de Eva Furnari;
23.              Negrinha, de Monteiro Lobato;
24.              O gato de bombachas, de R. S. Keller e Marcio Melgareco;
25.              O mágico de Oz, de Lyman Frank Baum
26.              O noivo ladrão, de Jacob e Wilhelm Grimm;
27.              O príncipe sapo, de Jacob e Wilhelm Grimm;
28.              O sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato;
29.              O soldadinho de chumbo de Hans Christian Andersen;
30.              Os fantásticos livros voadores de Modesto Máximo, de William Joyce;
31.              Os três porquinhos pobres, de Erico Verissimo;
32.              Os três porquinhos preguiçosos, de Jacob e Wilhelm Grimm;
33.              Poemas que escolhi para crianças, de Ruth Rocha;
34.              Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato;
35.              Rosa Maria no castelo encantado, de Erico Verissimo;
36.              Sapato furado, de Mário Quintana;
37.              Sapo amarelo, de Mário Quintana;
38.              Um violão e uma viola, de Ana Maria Machado

Concluindo
A fidedignidade pressupõe, também, dignidade e ser digno é ser merecedor do respeito de nossos orientandos. Ser digno, é ser merecedor do olhar admirado do outro. Ser digno é qualificar e preservar o maior bem público: o conhecimento.
Ao concluir este pequeno exercíco de pesquisa, em uma manhã de inverno em agosto de 2017, aprendi e ensinei. Dividi o que sei e observei o que ainda preciso aprender.
Minhas alunas, atualmente, serão colegas, em breve. Pedagogas que, como eu, precisam aprender a ouvir para, com dignidade e fidedignidade, falar.
Estamos no caminho! 

Referências:
ROSA, Cristina. Perfil leitor do estudante de Pedagogia 2017-2019. Projeto de Pesquisa. Disponível em: http://peteducacao.blogspot.com.br/p/planejamento-2017.html
Van Zanten, Agnès. Pesquisa qualitativa em educação: pertinência, validez e generalização. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 22, n. 01, p. 25-45, jan./jun. 2004. Disponível em: http://josenorberto.com.br/03_artigo_zanten.pdf

Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina