quinta-feira, 18 de maio de 2017

Cobras no laranjal: o conto revisitado

Em 2017, o conto Cobras no Laranjal – publicado pela primeira vez em 2009 – terá nova edição. Esgotada a primeira tiragem, foi escrito em homenagem à professora do filho da escritora, quando este estava no primeiro ano escolar.
O tema? A origem do nome da Praia do Laranjal.
Para a nova impressão, uma revisão foi necessária. Acesse aqui a versão 2017, que contou com os olhos atentos e a sensibilidade de Bitica Rosa, a quem a autora agradece profundamente.

Cobras no Laranjal
Cristina Maria Rosa

Todo mundo ficou falando do temporal que tinha dado, à noite, lá no sul do país. Em Pelotas, uma cidade banhada pela Lagoa dos Patos, parece que a coisa foi feia. O Jornal que noticiou o temporal não mencionou as cobras que o Menino encontrou.
 E levou para a escola.
O Menino tinha uma professora que amava bichos e adorava descobertas. A professora namorava um cara que era biólogo. Desses que são convidados para salvar pinguins e leões marinhos de desastres ecológicos como derramamento de óleo de cargueiros. O namorado havia ensinado às crianças que animais silvestres, como tartarugas e sabiás, não devem viver presos. E inventara um passeio às dunas do Laranjal, lugar propício para o nascimento de tartarugas. Ele desejava que os pequenos devolvessem à natureza bichinhos que alguns mantinham em cativeiro.
As crianças, pequenas ainda, de idade seis ou sete, choraram quando chegaram em casa e viram aquários vazios, gaiolas de portas abertas, a alfacinha ainda ali...
Quando publicou-se no jornal as fotos, quando beijos receberam de pai e mãe, quando avós orgulhosas telefonaram, as lágrimas foram de alegria: a natureza estava salva, um pedacinho, graças a todos eles!
Mas como eu ia dizendo, falou-se muito do temporal no sul.
Um temporal feio, com barulho intenso e lagoa revolta.
Nunca visto.
Nunca sentido.
Nunca imaginado!
Começou com um ventinho que, por mais forte a cada momento, se tornou ameaçador. E a lagoa, sempre tão boazinha, por muitos metros adentro rasa, de brincar crianças e de sossegar mães, cresceu...
 E veio vindo...
 Tomando conta da areia onde, ontem mesmo, corpos tomavam sol, pernas jogavam bola, cães rolavam em passeio e o chimarrão unia grupos.
A primeira vez que eu ouvi falar da Praia do Laranjal, pensei que fosse um lugar com muitas laranjas.
 Adivinhou! Não há nenhuma!
 Ou melhor, nas fruteiras da praia do laranjal tem de tudo, até laranjas. Do céu, de umbigo, laranja comum, de suco, da serra, “de fora” e “de São Paulo”.
Mas nenhuma colhida ali, em laranjeiras que já não há...
O nome, Laranjal, se deve às inúmeras laranjeiras, segundo eu fiquei sabendo, que havia.
Nas Quintas, um nome que davam às propriedades naquele tempo. Hoje seria um sítio ou chácara.
Nessas quintas, frutas. Nativas como amora, goiaba, araçá, ananás, pitanga e guabiroba. Outras, trazidas da Europa, como pêssego, ameixa e pera. Laranjas também havia nas quintas: de casca grossa, eram as “laranjas crioulas”.
Por ser um lugar repleto de laranjas, tornou-se nome: Praia do Laranjal. Com o fim das quintas, das frutas e das laranjas, do nome restou a praia.
Lá por 1960, para se chegar à praia da lagoa, pessoas – a pé, a cavalo ou em charretes – mais tarde em ônibus ou carros, faziam o caminho pelo Areal. Por isso Avenida tão larga, a Domingos de Almeida. E tão cheia de árvores... sombra, para o descanso no trajeto, que era longo.
 Na Baronesa, mais ou menos o meio.
 No fim da Rua das Traíras – essa eu ainda não descobri a origem do nome, mas não creio ser difícil – uma balsa fazia o translado. Onde acabava a Rua das Traíras e começava a balsa? Ao lado da Charqueada São João, uma Charqueda de verdade que hoje serve de moldura para filmes, faz parte de roteiro turístico, cenário para amores...
Memória exposta!
Depois da balsa, não sei bem quando, construíram um pontilhão de madeira, que dava passada para um de cada vez. Carro, não pessoa, ou seria pinguela...
Desviei-me novamente, volto ao temporal...
Nesse dia, ouviram-se rajadas, como assovios...
Uma sinfonia de muitos fantasmas, unidos, querendo assustar os vivos?
Muito surrou, as árvores, esse assovio.
Como chibatas.
Como nas charqueadas.
Muito fustigaram, a areia, essas rajadas.
Como o sal, no charque, em idos tempos...
E em muitas casas entraram as águas, mandadas pelas rajadas.
Vento e água.
Juntos.
Fortes.
Incessantes.
Por muitos passos, para além da largura da areia, para além do calçadão, para além da avenida à beira, para além das quadras primeiras...
Água.
Mais água.
Imensa e revolta e forte e rápida água.
Uma noite quase inteira.
De volume.
De água e do barulho dela.
E muito se disse quando tudo serenou, depois de dias.
Cada crença uma explicação encontrou, quando aos limites da lagoa voltaram as águas.
Castigo da natureza! Revolta de Iemanjá...
Desígnios de Deus. Dívidas com os antepassados...
Aviso de algo maior?
O Menino, que de crenças poucas vive a vida, curioso ficou com as cobras.
As cobras no Laranjal.
Muitas. Mortas. Soltas. De todas as cores. Tamanhos. Jeitos. Algumas vivas.
Para o Menino, o temporal foi lamento pela morte e sorriso pela possibilidade de olhar bem de perto.
Pegar. Levar. Para a escola. As cobras.
Nunca na praia tinha visto cobras.
E nem sabia de onde vinham.
Da lagoa?
Das dunas?
Dos banhados que a lagoa transformou num só mundo d’água?
Nas areias, em brincadeira, pegadas de cachorros viravam marcas de dinossauros. A mãe inventava histórias sobre a saída, à noite, desses pré-históricos para avisar aos de hoje, que ainda, sim. Mas cobras? A mãe não inventara...
O mistério, as cobras, ninguém ainda sabe, de onde.
O Menino sabe.
Inventos podem ser, podem não ser...

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Alfabetização Literária: os bebês e seus modos de ler

A pesquisadora com o seu bebê, em 1996
Como ensinar um bebê a gostar de ler?
A partir de estudos iniciados em 2015 com bebês desde o nascimento, pretendo descrever a “educação para o gosto” ofertada a um grupo de bebês que, aleatoriamente, foram sendo incorporados à investigação.
Parto do princípio de que a leitura, habilidade adquirida de crucial importância para a vida dos humanos em sociedade, deve ser apresentada à infância logo que nossos filhotes indiquem suportar a própria cabeça: quando conseguem ficar eretos, sentados sozinhos ou em nossos colos. É nesse momento que podem ser apresentados ao comportamento leitor que é aqui descrito como um grupo encadeado de atitudes que se sucedem e do qual faz parte o observar, ouvir, conter, abrir, folhear, ler, preservar, fechar e guardar.
Se bebês não têm manual de uso, como muitos de nós poderíamos desejar, por que não apresentar a eles o livro e a literatura desde tenra idade e em seus atributos? Por que não inseri-los no mundo da cultura letrada desde os primeiros contatos? Argumento que essa “apresentação”, no entanto, não pode ser eventual, aleatória, desorganizada, espontânea.
Como fonte teórica para o diálogo com as descobertas que realizo desde maio de 2015, utilizei-me de pensadores para quem as práticas formadoras do leitor são definidas pelo conteúdo – o que ler – e pelos procedimentos ou “como” ler. No primeiro aspecto, Cademartori (2014), Machado (2002), Paulino (2014) e Zilberman (2005), concordam que o texto literário deve ser ponto de partida para a alfabetização literária.
Com relação aos procedimentos, Tzvetan Todorov (2010) nos ensina que a principal função de um professor é iniciar os seus “nessa parte tão essencial de nossa existência que é o contato com a grande literatura” e que à escola deveria “ensinar os alunos a amar a literatura”. Entre os resultados, meninas e meninos bem pequenos e seus modos de ler literatura.
A seguir, os slides da palestra que fiz sobre o tema em 26/04/2017, a convite do Programa em Residência Médica em Pediatria do HE/UFPel, a convite do Supervisor, Dr. Amilcare Vecchi.











Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina