domingo, 19 de junho de 2016

Silvia, a rainha mãe de Frederico

Silvia.
É o nome da rainha mãe de Frederico, o príncipe.
Ela é elegante, tem voz de gente inteligente e usa uma bolsa com correntes de ouro.
Quando sai a passear fora do castelo, Silvia, a rainha, disfarça.
E não usa nada, nada, que uma rainha costuma ter.
Coroa.
Roupas imponentes.
Sapatos de cristal.
Mas, a bolsa...
A bolsa ela usa.
Bolsa de rainha.
É vermelha.
E tem correntes de ouro.
Você já viu por aí uma bolsa assim?
Claro que não.
Não existem bolsas iguais as da Rainha Sílvia.
Dizem que a bolsa vermelha e com correntes de ouro foi confeccionada especialmente para ela. Por um artesão real, um tal de Artesãorealdocastelo. Conhece?
Nem eu.

Amanda: um livro digital para crianças inteligentes

O livro Amanda é uma homenagem a mães que trazem seus filhos na Faculdade à noite ou mesmo de dia. Sem ter com quem deixá-los, nos emprestam um pouquinho seus filhos para que façamos experimentos com eles.
A Amanda e suas incrível capacidade de observação foi um de meus experimentos. Eu escrevi o que ocorreu na sala de aula, depois, transformei o relato em livro. Você pode conhecê-lo na íntegra escrevendo para cris@ufpel.tche.br


Gata na Sacola: um livro digital infantil

O conto Gata na Sacola nasceu de uma narrativa da Renata Junqueira, minha amiga de Presidente Prudente, SP. Ela é uma ótima contadora de histórias e essa, é muuuuuiiiito engraçada. Uma das filhas da Renata adora inventar passeios e este, com gata na sacola, foi protagonizado em 2015. Eu ouvi, escrevi, desenhei e partilhei. Leia o texto integral escrevendo para cris@ufpel.tche.br.



quarta-feira, 15 de junho de 2016

Leitura Literária na Escola: Princípios e Procedimentos

Buscando integralizar a formação de professores ofertada pela FaE/UFPel, elaborei e implementei, em 2014, o Projeto "Leitura Literária na Escola", aprovado com o Código no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPel sob o número 52970044.
Desenvolvido entre abril e dezembro de 2014 em instituições públicas de ensino fundamental em Pelotas, através dele foram realizadas, semanalmente, leituras literárias para crianças matriculadas, do primeiro ao quinto ano. Essas leituras variaram de clássicos a modernos, passando por lendas, poesias e fábulas. Os leitores, entre eles eu mesma, estudantes da Licenciatura em Pedagogia, bolsistas do PET/Educação e voluntários.
Tendo como objetivos formar e qualificar professores leitores, entusiasmar estudantes a se tornarem pesquisadores no campo da leitura literária e oportunizar a todos os envolvidos o conhecimento de autores, gêneros e títulos da literatura para crianças, o Projeto Leitura Literária na Escola em como estrutura o estudo, a pesquisa e a intervenção, além da reflexão e da autoria, ao final de um ano de trabalho, de reflexões acerca do realizado em formato de artigo
Fazer com que estudantes de Pedagogia e professores que estão na escola dialoguem sobre a leitura literária, trocando informações e saberes, práticas e procedimentos também é um dos motivos que fazem com que o projeto tenha continuidade e seja, constantemente avaliado e renovado. Oportunizar às crianças que frequentam a escola o contato com a produção literária brasileira, especialmente, tem sido um dos focos do projeto que, em tempo concomitante, impulsiona os estudantes a saberem mais sobre a literatura e seus efeitos imensuráveis na vida escolar dos pequenos. Nesse aspecto, compartilho o pensamento de Fanny Abramovich (1997), para quem a literatura é a porta para um “caminho infinito de descobertas e compreensão do mundo”.

Neste livro intenciono compartilhar: nosso projeto e nossa reflexões sobre ela. solicite o comaprtilhamento escrevendo para cris.rosa.ufpel@hotmail.com.
Boa Leitura!

Galileu e o Perspicilium

De onde viemos? Quem somos? Para onde vamos? Essas e outras questões podem/devem ser propostas nos primeiros anos do Ensino Fundamental, para crianças ainda pequenas, inexperientes, pois a aprendizagem é uma síntese advinda da interação entre pensamento e os objetos de conhecimento mediada pelo legado sócio-histórico, de acordo com os estudos de Vigotski (1991).
O livro digital Galileo e o Perspicilium teve origem após o estudo da biografia de Galileo Galilei com foco na Teoria da Composição dos Movimentos. Foi possível quando da proposição de uma interlocução com crianças entre sete e nove anos sobre o globo terrestre e seus movimentos, tendo como mote o livro Pinocchio, de Carlo Collodi. O resultado foi um interessante e intenso diálogo conceitual que rompeu com muitos dos saberes até então partilhados pelo grupo, entre eles, que a Física deve integrar o currículo escolar apenas nos anos finais do Ensino Fundamental e/ou no Ensino Médio, que seu estudo tornou-se longínquo de curiosidades manifestadas espontaneamente na infância e de que pensar fisicamente é “para alguns”.
Mediatizado por uma oficina de escrita literária, apresenta um grupo de narrativas cujos autores são estudantes de Pedagogia e Física da UFPel, integrantes do FISPED, projeto que integrou bolsistas dos grupos PET/Educação e PET/Física da UFPel).
Realizado no âmago de um Projeto de Extensão em Leitura Literária no ano de 2014 e em consonância com a atuação dos dois grupos PET, foi elaborado e aprimorado em 2015. O experimento proporcionou reflexões às crianças sobre a Física e, também, oportunizou a construção de conceitos. Para nós, autores, agregou valores e saberes nos campos da educação, da docência e da pesquisa.
Disponível online gratuitamente, o livro pode ser solicitado por compartilhamento ao email cris.rosa.ufpel@hotmail.com.
Escreva e garanta o arquivo!

domingo, 12 de junho de 2016

Marcadores de Livros: Encerramento

O evento Marcadores de Livros: Curso de Confecção foi promovido pelo Projeto de Extensão Leitura Literária na Escola (DIPLAN/PREC: 5197044). Teve o apoio do GELL – Grupo de Estudos em Leitura Literária –, da Sala de Leitura Erico Verissimo e do PET Educação.
Foi realizado nos dias 28 de abril, 12 de maio e 09 de junho de 2016 nas dependências da Faculdade de Educação da UFPel, das 17:30 às 19 :30 horas. O programa do curso foi:

28/04/2016:
a)               Ler em capítulos: a necessidade de marcar a leitura;
b)               Lendo Peter Pan e ressaltando pontos admiráveis.

12/05/2016:
a)               O que são, como se faz e como se usa, na escola, os marcadores de livros?
b)               Estratégias para a leitura em capítulos.




09/06/2016
a)               Confecção de marcadores de livros;

b)               Exposição de encerramento e entrega dos certificados.

sábado, 4 de junho de 2016

Pesquisa com bebês: um roteiro

Bebês sabem ler? Como aprendem? O que é pesquisa com bebês? É possível acompanhar as conquistas espontâneas e mediadas de um bebê no que diz respeito à leitura literária? Buscando responder a essas perguntas, criei um roteiro para registrar interações de bebês com o livro e a leitura. São alguns passos que indicam o que e como fazer. A seguir, os passos que criei.

1. O que ler?
De preferência ler uma história completa, bem pausadamente, com a criança no colo e o livro em frente as duas, leitora e criança. Durante a leitura, fazer comentários sobre o que está ocorrendo ou sobre as ilustrações que há nele.
2. Como ler?
Primeiro, convidar a pequena para ouvir a história: Vamos ler uma história? Queres ouvir uma história? Vem no colo da tia para lermos uma história? Transformar esse momento em rotina: sempre que estiver com a tia, terá uma história.
Segundo: mostrar dois livros (as capas, e dizer do que se trata). Por exemplo: queres que eu leia este, da Chapeuzinho Vermelho, ou este, da Princesa de sapatinho de cristal? E pedir que ela escolha um para ser lido.
Elogiar a escolha: muito bem, que livro bacana que tu escolheste! Estou muito curiosa para saber o que acontece com a Princesa do sapatinho de cristal. Vamos ler? Vem para o colo?
 3. Ler emocionando
O tempo todo o livro e ao ler, se deslumbrar com o que acontece “Que maravilha, a fada transformou abóboras em uma carruagem!” e perguntar pela continuidade: “O que será que acontece agora?” Indicar com o dedo, imagens ou parte delas e ressaltar para a bebê: “Olha só que bacana o sapatinho dela, como brilha. Pudera, é de cristal!!!! Eu queria ter um assim...” Perguntar: “Será que podemos ter um sapatinho de cristal igual ao da princesa? Vamos perguntar para a vovó\mamãe?”
4. Depois de ler 
Ao fim da leitura, perguntar se ela gostou e dizer que tu, sim, gostou. Perguntar se ela quer conhecer outras histórias e prometer ler novamente em outro dia. Convidar para voltar\ler\ver as imagens. Depois, indicar (dizer à criança) que o livro vai ser guardado e vai esperar por ela no próximo dia ou semana em que ela virá te visitar. E perguntar: Semana que vem vamos ler de novo? E prometer: Na semana que vem, vou te esperar com um livro bem bacana para lermos...
5. Guardar
Pedir ajuda para guardar. Escolher um lugar para isso. Se já tem, indicar: o livro vai ficar aqui, na biblioteca, esperando por ti. Semana que vem, vamos encontrá-lo aqui. Viste como têm muitos? Mostrar a ela os livros no local onde ficam...
6. Partilhar e publicizar
Falar e mostrar aos outros (mãe, avó) que leram e onde está o livro para ser lido novamente na semana que vem. Ex: “Olha só, vovó, eu e a bebê lemos tal livro e o guardamos aqui, junto com os outros. Semana que vem, vamos ler novamente...”
A pesquisa
O trabalho de pesquisa começa quando escolhemos os livros. Critérios para tal estão disponíveis em outra matéria neste blog. O que devemos fazer com essas interações: Observar, registrar, filmar, gravar, anotar. É dessas observações inventariadas que obteremos as informações para pensar e intervir mais qualificada ente na próxima vez.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Biblioteca na Escola: aprendendo a fazer

 A Sala de Leitura Erico Verissimo (FaE/UFPel) com o apoio do PET/Educação criou o Projeto de Recuperação do Espaço Interno da Biblioteca na Escola  Estadual de Ensino Fundamental Fernando Treptow, que está localizada no Bairro Fragata.
Com a coordenação da Drª. Cristina Maria Rosa e contando com a presença intensa dos estudantes Alex Nunes, Cinara Postinger, Érica Macleo, Ieda Kurtz, Gabriela Leal, Maiara Kath Kringel, Priscila Brock Barbosa, Rafaela Engrácio, Rafaela Camargo, Roberlânia Moura, Tamires Jara Goulart e Tamires Machado (dos cursos de Letras e Pedagogia da UFPel), o trabalho começou em abril de 2016.
O primeiro dia na escola foi doze de abril. Fomos recebidos pela Direção da escola, representada pela professora Roberta Bohns e, desde então, estamos interessados em produzir um espaço adequado, agradável e de intenso uso para crianças, adolescentes e professores: uma Biblioteca!
Mas, o que é uma biblioteca escolar? Acredito que uma biblioteca é um espaço destinado a políticas de leitura e estas podem ser entendidas como atitudes, atividades e repertório capaz de sustentar processos de acesso, uso, fruição e trocas relativas ao artefato mais importante de nossa cultura escrita – o livro. Único espaço que não pode faltar em uma escola (ROSA, 2016), a biblioteca pode e deve ter diferenciados acervos e, necessariamente, políticas de uso e fruição dos livros e de outros suportes que podem ser considerados a cada nova geração ou tempo. 














Recomendo Lulu, de Fabrício Carpinejar

Convidada a recomendar mais um livro para os ouvintes do programa Tons e Letras, produzido e apresentado pelo Luis Dill, na Rádio FM Cultura de Porto Alegre, escolhi Lulu, de Fabrício Carpinejar. Em seu programa, Dill oferece ao público, informações do universo literário. Assim, autores, editores, tradutores, ilustradores, leitores, além de entrevistas aprofundadas são sua “matéria” semanal.
Por que Lulu? Do que trata este livro? Quem é Fabrício Carpinejar?
O irreverente e culto poeta, cronista, jornalista e professor Fabrício Carpinejar é o autor, de muitos textos, entre eles, esse delicado e pungente livro que tem como tema a surdez.
E o que é Pungente?
É algo que tem a ponta rígida e aguçada, capaz de ferir, perfurando. Pungente é o que provoca dor viva, aguda, penetrante, cáustica; lancinante.
Sim. Lulu é pungente.
E delicado.
Como quando Carpinejar informa:
- “Lulu não escuta os galhos cerzindo casacos de frutas”.
Ou quando Carpinejar fere:
- “Lulu não escuta o barulho do estômago. O batimento cardíaco”.
Ilustrado por Serena Riglietti e editado pela Edelbra em 2014, Lulu é um livro que não pode faltar entre os que teus filhos, avós, pais e amigos indicam como possuidor de duas das maiores qualidades da literatura que permanece, que é clássica, que nos conforma como humanos: a emoção e o pensamento.
Em um dos momentos delicados, Carpinejar escreve:
- “Lulu não escuta o que é baixo, o que é discreto, o que é suave, não escuta a vida formigando.”
E arrebata:
“Sua mãe passou a não escutar também, para não mostrar vantagem, para não mostrar superioridade, para domar o medo.”
Não tenha medo de se emocionar.
Leia os poetas gaúchos.
Leia Fabrício Carpinejar.
E leia Lulu, para todos de tua família.

Ficha técnica:
Tons & Letras
Apresentação: Luís Dill
Produção: Luís Dill
Horário: Sábados, às 11h
Twitter: @fm_cultura
Facebook: fmcultura107.7
Contato: programacao@fmcultura.com.br

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina