sábado, 22 de novembro de 2014

Lendo na escola

Em 2014 realizamos muitas atividades de leitura na escola.
Na FaE, em 14/11, recebemos as crianças para ler Pinocchio, de Carlo Collodi.


Na escola infantil Girassol, um encontro com os ilustradores de Frederico, o príncipe.

Um chapéu faz uma bruxa...


Na sala de aula, diálogo com as crianças: a autora e uma convidada.










Meu ABC em O GLOBO

   Graça Ramos publicou interessante matéria sobre Abecedários, intitulada "presente para crianças". Nela, meu trabalho a respeito do Abecedário de Verissimo foi citado:

"No Brasil, um dos mais antigos leva a autoria do escritor Érico Veríssimo – sou louca para conhecê-lo. “Meu ABC”, com ilustrações de Ernest Zeuner, data de 1936. Em trabalho de pós-doutorado na UFMG, Cristina Maria Rosa localizou apenas um exemplar no Rio Grande do Sul. Nem mesmo no Instituto Moreira Salles, que guarda o acervo do escritor, existe essa preciosidade".

Eu fiquei feliz da vida e mandei meu livro para ela que, ao recebê-lo, escreveu: "Oi, Cristina. Parabéns pela pesquisa. Fiquei muito curiosa. Lerei com prazer. Abraço, Graça". E loguinho depois: "Já li. Muito legal. Foi ótima companhia... Mais uma vez, obrigada. Abraço, Graça". A seguir, a matéria na íntegra. Ao final, onde você a encontra em O Globo.


Presente para crianças
Graça Ramos

O dia das crianças aproxima-se e resolvi dar sugestões de presentes. Todos abecedários. São livros que apresentam o ABC quase sempre de maneira lúdica, produto que considero pouco reconhecido no Brasil. Com eles, garotas e garotos se apropriam do hábito da leitura, adquirem intimidade com as letras e com os sentidos das palavras.
Há anos, leio abecedários e, para esse artigo, conversei com a especialista no tema, professora Magda Soares, titular emérita da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), uma das mais respeitadas educadoras do País. Colecionadora de abecedários, ela me provocou ao final da entrevista com uma pergunta: “quem sabe ainda teremos algum abecedário que seja uma obra de arte e perfeito linguisticamente e fonologicamente?”. Fica o desafio aos nossos autores e às editoras.
O desprestígio que esse material, muito valorizado na Europa e nos Estados Unidos, sofre no País passa por vários aspectos, entre eles a pequena produção editorial. Segundo Magda, “entre os livros inscritos no Programa Nacional Biblioteca da Escola, quando este é voltado para a Educação Infantil e os anos iniciais do Ensino Fundamental, são raríssimos os abecedários”. Segundo ela, às vezes, nenhum é inscrito, o que dificulta ou impossibilita incluí-los nos acervos que vão para as escolas.
Precariedade – A outra ponta do problema, segundo Magda, reside no fato de que “os professores não reconhecem a contribuição que os abecedários podem dar ao processo de alfabetização das crianças”. Na opinião da pesquisadora, isso se deve a essa pequena produção e à conhecida precariedade na formação de professores alfabetizadores. Diante desse cenário, perdem as crianças, pois os abecedários muito podem contribuir para a formação e o divertimento dos pequenos.
Coordenadora do projeto Núcleo de Alfabetização e Letramento, em Lagoa Santa (MG), Magda ressalta que abecedários são uma das portas de entrada oferecida à criança para compreender o sistema alfabético de escrita. “Como sempre apresentam a letra acompanhada de uma palavra que começa com ela e de um desenho que revela o significado da palavra, a criança começa a perceber que letras constroem palavras, e representam um som das palavras”.
Pergunto à professora se há uma idade ideal para se presentear crianças com um abecedário. Preste atenção ao que ela diz: “a partir do momento em que a criança demonstra interesse e curiosidade por material escrito, o abecedário é um bom presente, e isso ocorre, em geral, já aos dois, três anos”.
Nos Estados Unidos, por exemplo, são comuns livros com o do título “First 100 words” (Priddy Books), plastificados e ilustrados com fotografias, que apresentam letras e palavras para bebês, conhecidos como “board books”. E também pequenos ABCs, chamados popularmente de “baby’s ABC”. Simples, mas bastante populares. Diferentes de “Alphabet”, da premiadíssima ilustradora Kvéta Pacovská (Verlag), lançado em 1996, clássico internacional, construído como narrativa visual das mais belas, apropriado a qualquer idade.
Na Alta Idade Média, século IX, os celtas já produziam abecedários, com motivos de plantas e animais. Na Biblioteca de Dublin (Trinity College), podem ser encontrados vários exemplares. O artista contemporâneo Damien Hirst lançou seu ABC ano passado e recebeu muitos elogios da crítica, de arte. No Brasil, um dos mais antigos leva a autoria do escritor Érico Veríssimo – sou louca para conhecê-lo. “Meu ABC”, com ilustrações de Ernest Zeuner, data de 1936. Em trabalho de pós-doutorado na UFMG, Cristina Maria Rosa localizou apenas um exemplar no Rio Grande do Sul. Nem mesmo no Instituto Moreira Salles, que guarda o acervo do escritor, existe essa preciosidade. Maiores informações podem ser acessadas em http://www.sedufsm.org.br/docs/noticia/2014/08/D15-216.pdf.
Os ABCs podem ser luxuosos ou mais simples, caso de "Abecedário sem juízo" (Livraria Civilização), de Luísa Ducla Soares, mas o importante é que abram a porta para a leitura e as invenções. Muitos educadores gostam de trabalhar com o livro de Ducla, pois, logo após começarem a leitura, as crianças já se mostram dispostas a inventar seu próprio abecedário. Embora nos Estados Unidos e na Inglaterra não haja sala de aula sem abecedários, nesses países também é rotineiro o procedimento de as crianças construírem o seu próprio abecedário.
Provocações – Minha primeira sugestão, então, será artesanal. Junte-se à criança que deseja agraciar e monte com ela ou para ela – dependerá da idade do pequeno – um abecedário. Mas, se decidir adquirir no mercado um exemplar, leve em conta recomendações feitas por estudiosos do tema. Ele deve ser divertido, criativo, fugir do clichê "isto é aquilo" ou das quadrinhas muito conhecidas. Evite buscar na leitura somente ratificação ou reconhecimento direto das letras. E, se o sentido for educacional, fuja daqueles que em que as letras vêm com muita intervenção gráfica, que quase escondem a forma da letra, prejudicando a percepção dela pela criança. 
Dos produzidos no Brasil que conheço, meu clássico é O batalhão das letras, do amado poeta Mario Quintana. Desde que foi lançado em 1948, já ganhou variadas edições. O primeiro a ilustrá-lo foi Edgar Koetz, em livro formato paisagem. Depois, recebeu os traços de Eva Funari, e, em outra edição, de Rosinha. Todas pelo selo Globo e esgotadas nas livrarias. Recentemente foi relançado, agora com ilustrações de Marília Pirillo, pela Alfaguara.
As quadras do poeta, recheadas de humor, estabelecem relações entre letras, palavras e gestos – adoro, por exemplo, quando ele diz “o K parece uma letra que sozinha vai andando”. Indicado para crianças em processo de alfabetização, considero que Rosinha foi a mais feliz das ilustradoras ao captar a essência de Quintana, dotando o livro de alegria e intensidade peculiares. Marília, na edição atual, apresenta ilustrações também divertidas, porém de matiz mais contida, cores bem mais suaves.
Contemporâneos – Dos autores contemporâneos, existe o “Alfabeto escalafobético – um abecedário poético” (Jujuba), de Claudio Fragata e Raquel Matsushita. Maluquete como o do Quintana, seu forte reside em explorar muitas palavras iniciadas com cada letra do alfabeto associadas a desenhos inusitados. Sobre a letra “N”’ diz “meu navio de jornal/ navega na enxurrada/ da Avenida Portugal/ É navio ou é nau”. Os desenhos acompanham graficamente as letras, cujo nome aparece sempre por extenso na página e depois recriado. Caso de “Efe”, construído com formigas e sempre presente em texto reiterado pela palavra “fim”.
“ABCenário” (Autêntica), de Alex Lutkus e Leo Cunha, brinca com objetos que lembram determinadas letras. No caso do cachimbo de Magrit, os autores juram que é jota, “sem jeito e sem juízo”. Há algo de surreal nos desenhos, como na lanterna do carro que se transforma em G (“gostaria de guiar pelo globo/ sem gastar gasolina”). O ilustrador criou as metáforas visuais e, somente depois, o autor do texto verbal inventou os jogos de palavra. Nele, se você pensa que a serpente enrolada relaciona-se com a letra “S”, errou. Ela refere-se ao “Q”, de “quietinha, quietinha... quem quer?”.
No Prêmio Jabuti a ser anunciado em novembro concorre, na categoria Ilustração, “Abecedário poético de frutas” (Rovelle), de Roseana Murray e ilustrações de Cláudia Simões. A escritora escolheu uma fruta cujo nome começa com uma letra do alfabeto para compor poemas, residindo apenas aí o jogo de associações. As ilustrações feitas com primor, na técnica da aquarela, apresentam dicção tradicional. Esse abecedário se faz temático, como ocorre com “ABC do Brasil”, da premiada Ana Maria Machado, ilustrado por Gonzalo Cárcamo, que explora as riquezas do País. Publicado pela SM, o livro faz parte de série que dedica ABCs à África, aos índios, ao Japão, ao mundo árabe e ao judaico, o último assinado por Moacyr Scliar. 
Para aqueles que gostam de apresentar novidades digitais para crianças, há o “ABC - Curumim já sabe ler” (Manati), com ilustrações de Mariana Massarani, organizado por Bia Heztel e Silvia Negreiros, destinado a Ipad, mas que também pode ser adquirido em formato impresso. Indicado para crianças a partir dos três anos, como leitura acompanhada, ele apresenta as letras e palavras com elas iniciadas, juntamente com desenhos, em diferentes graus de dificuldade.
Sofisticado – “Alfabarte” (Companhia das Letrinhas), de Anne Guéry e Olivier Dussutour, foi lançado este ano, com tradução de Eduardo Brandão. A partir de obras de arte de artistas da Idade Média até a contemporaneidade, os autores perguntam onde está determinada letra na imagem retratada. Mesmo para quem tem repertório em artes, o livro exige olhar de detetive, como identificar a letra “L” em “O vagabundo”, de Hieronymus Bosch, de 1510. Outras são mais simples, caso do “C” em “O corvo querendo imitar a águia”, de Marc Chagall, de 1947 (imagem acima publicada). Dadas essas dicas, boa diversão com as letrinhas.

A leitura em impressos para alfabetizar: 1786-2014

Autoras: Angelina Monteiro (PET/Educação) e Cristina Rosa
Em 2014 demos início a uma investigação acerca do conceito de “Leitura” em impressos para alfabetizar que abarcou 138 anos de ensino da leitura no Brasil. O objetivo era descobrir se havia conceitos  de leitura explícitos nos materiais. Se sim, como estariam registrados. Nos interessou também, conhecer se estes conceitos se complexificavam e/ou contradizem com o passar do tempo.
Para a pesquisa, utilizamos nosso acervo: cinquenta e oito diferentes exemplares de impressos. O Banco de dados pertence ao GPELHL (Grupo de Pesquisa “Escritas, Leitores e História da Leitura” - CNPq), que coordeno e os materiais (cartilhas, manuscritos, livros) foram adquiridos em 23 anos de docência no ensino superior dedicados à Alfabetização e ao Letramento. A referência, ou seja, o livro do qual partimos foi a Cartilha Maternal ou Arte de Leitura (DEUS, 1876), impressa em Portugal e posteriormente adaptada para as escolas brasileiras (século XIX). Ainda hoje é utilizada em Portugal. O último texto considerado foi o livro didático Porta Aberta (MEC, Guia de Livros Didáticos, 2013/ 2014).
A Metodologia, de cunho qualitativo, buscou conhecer, descrever e analisar se havia conceitos de leitura explícitos em documentos para alfabetizar utilizados no Brasil desde 1876. Os procedimentos adotados foram: 
  a) Leitura de todo o acervo;
  b) Transcrição dos conceitos referentes ao termo leitura;
  c) Categorização dos conceitos por ano/ período/ método;
  d) Análise dos conceitos;
  e) Elaboração de conclusões.
Nosso referencial teórico partiu de construtos teóricos importantes, entre eles, contribuições que indicam que compreender os significados da leitura em impressos para alfabetizar tem importância ímpar. Para Silva (2002), “A leitura é uma atividade essencial a qualquer área do conhecimento e mais essencial ainda à vida do ser humano. (...) está intimamente ligada com o sucesso acadêmico do ser que aprende; e contrariamente, à evasão escolar. (...) é um dos principais instrumentos que permite ao Ser Humano situar-se com os outros, de discussão e de crítica para se chegar à práxis. A leitura, possibilitando a aquisição de diferentes pontos de vista e alargamento de experiências, parece ser o único meio de desenvolver a originalidade e autenticidade dos seres que aprendem” (Ato de ler, de Ezequiel Teodoro da Silva, 2002,  p. 42-43).

Entre nossas preciosidades - alguns dos livros que temos são raros -
os conceitos de leitura encontrados foram:

Os conceitos encontrados:
1876 – “Interpretação sucessiva das letras simples ou compostas, certas ou incertas da palavra escrita; a leitura é a verdadeira soletração; só na leitura se dá aos caracteres o seu justo valor” (João  de Deus, 1876, Cartilha Maternal ou Arte de Leitura).
1915 - A leitura é de todas as artes a que menos custa, e a que mais rende” (Alfredo Clemente Pinto, 1915, 4º livro de leitura, 2ª série das leituras escolhidas);
1935 – “Ler não significa traduzir a linguagem escrita em linguagem falada; é entender, compreender, assimilar, sentir o trecho lido” (Olga Acauan & Branca de Souza, 1935, Queres ler?);
1942 – “A leitura, em vez de ser um simples mecanismo de decomposição e recomposição de palavras, é um exercício de idéias. (...) A par da decifração de símbolos gráficos, deve ser dado aos educandos bons hábitos, atitudes, habilidades e idéias, de modo a não só garantir-lhe interesse permanente pela leitura, como o bom uso que deve fazer dessa técnica, elevando o seu espírito através de uma cultura sempre renovada e superior” (FONSECA, A. Livro de Lili, Método global, 1942);
1978 – “Ler é aplicar um código para descobrir o que está escrito”, é “ser capaz de, diante de um texto escrito, combinar os símbolos de maneira a aprender o sentido do que está escrito” (SILVA, PINHEIRO e CARDOSO, Minha Abelhinha,1978);
2010 – “Leitura é um processo pelo qual o leitor realiza um trabalho ativo de construção de significado do texto, a partir de seus objetivos, do seu conhecimento sobre o assunto, sobre o autor, de tudo que sabe sobre sua língua...” (SEABRA e CAPOVILLA, Alfabetização: Método fônico, 2010).

Parte de nossas conclusões indicam que o conceito de leitura não está explícito na totalidade dos materiais investigados. Em apenas 56% das cartilhas, manuais e livros foi encontrado, explícita ou implicitamente o conceito de leitura, o que pode ser visto na imagem ao lado.

Além disso, esses conceitos apresentam diferenciados sentidos, entre eles:

"interpretação sucessiva das letras” (1876):
•“A leitura é uma arte" (1915);
•“Ler é entender, compreender, assimilar, sentir o trecho lido” (1935);
•“A leitura é um exercício de ideias” (1942);
•“Ler é aplicar um código para descobrir o que está escrito” (1978);
Leitura é um processo pelo qual o leitor realiza um trabalho...(2010);

Intrigante foi a quantidade de materiais que não expressam conceito de leitura (44%) e ainda, perceber que não há, no material pesquisado, uma linha crescente de complexidade entre os conceitos, podendo ser amplos ou restritos de acordo com diferenciados períodos da educação no país.

As referências de nosso trabalho são:
BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e leitura. São Paulo: Cortez, 1994.
CAGLIARI, Luís Carlos. Alfabetização & Linguística. SP: Scipione, 1993. 
FERREIRO, Emília e TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.
LOIS, Lena. Teoria e prática da formação do leitor: leitura e literatura na sala de aula. Porto Alegre, Artmed, 2010.
MANGUEL, Alberto. Uma história da Leitura. Tradução de Pedro Soares. São Paulo, Companhia das letras, 1997.
NEVES, Iara. Ler e Escrever: Compromisso de todas as áreas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte, Autêntica, 1999. 
TEBEROSKY, Ana e COLOMER, T. Aprender a Ler e Escrever:  na Proposta Construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003.
ZILBERMANN, Regina e SILVA, Ezequiel Theodoro (orgs). Leitura:  Perspectivas interdisciplinares. São Paulo, Ática, 1999.


Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina