segunda-feira, 11 de abril de 2016

Eu recomendo "A história mais triste do mundo", de Mário Corso.

A história mais triste do mundo, de Mário Corso, tem ilustrações de Bruna Assis Brasil. É um livro com 75 páginas e seu formato é interessante: 26 centímetros de largura e outros 26 de altura, com amplas orelhas e uma guarda que parece com os livros que Erico Verissimo fazia nos anos 30 do século passado.
Não parece, mas é altamente indicada para crianças. De todas as idades. A editora? Bolacha Maria.
É uma delícia ter nas mãos esse presente que Mário Corso preparou para chegar às livrarias no fim de 2015.
Mas por que recomendar a leitura de uma história triste? E a mais triste do mundo?
Aviso: Mário Corso não mente. A história é triste.
Muito.
Talvez a mais triste do mundo mesmo.
Quando eu a li, pela primeira vez, não consegui fazer com o livro o que costumo fazer com os que adoro: reservar páginas para amanhã, adiar o fim para preservar o prazer.
Não.
Li de um fôlego só, quase sem fôlego.
Ao fim, voltei ao início.
Só para, na página onde se encontra impressa a etiqueta “este livro pertence a”, escrever meu nome.
Ao indicar que é meu o livro, assinalei seu pertencimento ao repertório de histórias que me encantam. Logo depois, aloquei o livro entre os demais de meu acervo e, volta e meia, olhava para ele, destacado na estante pelo tamanho.
Na primeira oportunidade, levei-o comigo para a sala de aula. Queria dividir com os estudantes as palavras escolhidas pelo autor para narrar a história de Marco, um guri que pequeno ainda, dividiu uma jaula com um leão.
De circo, o leão.
Mas de verdade.
Na aula, antes da leitura, falei de Mário Corso. Mencionei Fadas no Divã, um dos seus livros com a também escritora Diana. Mencionei o inventário de entidades imaginárias e de mitos brasileiros que ele nomeou Monstruário, um livro que indico sempre para as estudantes de Pedagogia.
E mencionei uma Jornada de Literatura em Passo Fundo na qual pude conhecê-lo e solicitar seu nome em meu livro.
Percebi ali, que conhecia Mario Corso.
 E que admirava seu trabalho.
Percebi que a admiração se transformara em respeito literário ao ler A história mais triste do mundo.
Decidi.
Iria, a partir dali, apresentar o livro, recomendar, ler trechos, indicar, elogiar.
E o que me faz recomendar Mário Corso e sua triste história?
Uma gravata e um lenço.
Um plano de pertencer e ser feliz.
Um beijo e uma vida que sim, pode ser macia.
Antes, lá pela página 54, quando Marco, o protagonista, é levado a comprar do pai o próprio cachorro, eu havia fechado o livro. E, confesso, ficara por um tempo pensando nas pessoas que o Mário Corso conhecera na vida.
Triste mesmo, essa história, Mário.
E imperdível!
Leia Mário Corso.
Leia A história mais triste do mundo.
Leia os autores gaúchos.
Eles escrevem para serem lidos...

Ficha técnica:
Tons & Letras
Produção e Apresentação: Luís Dill
Horário: Sábados, às 11h
Twitter: @fm_cultura
Facebook: fmcultura107.7

Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina