segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Alfabetização Literária

Conceito grafado por mim pela primeira vez em 2016, a alfabetização literária vem sendo uma prática que desenvolvo desde 1995, quando dei início a um processo familiar de formação de um leitor que hoje atingiu a maturidade, caracterizada por mim como intensidade, diversidade, fluência, independência, autonomia e gosto literário próprio. Por isso mesmo, me atrevo a grafar o conceito e busco, em outras relações, oferecer princípios e procedimentos para que estes saberes extrapolem minhas conquistas pessoais e indiquem generalizações possíveis e mesmo desejáveis, uma vez que se trata de um campo de saber visceral para o cérebro humano e para a escola, em especial.
Uma das inteligências a ser desenvolvida – a verbal – ainda na infância, a alfabetização de alguém em algum campo do saber sempre é um processo que demanda reflexão/ação/reflexão. O tempo todo.
A alfabetização é e deve ser mediada por atitudes de escolha de procedimentos e artefatos cada vez mais sofisticados que exigem comprometimento do propositor e do sujeito que está sendo iniciado. Quando mais jovem este sujeito, menos certezas o alfabetizador tem.
Embora se utilize para tal artefatos culturais públicos como livros e seus conteúdos, leituras e diálogos sobre eles, a alfabetização literária é, também, um processo particular, ou seja, é vivida individualmente por cada sujeito a ela submetido que, necessariamente, atribui valores e sentidos muito próprios ao acontecimento, ao jogo e a suas regras, nem sempre os mesmos atribuídos por seu "professor".
Mas, o que é, para mim, alfabetizar literariamente uma pessoa? Como conceituo a alfabetização literária?
Compreendeo a Alfabetização literária como um processo de apresentação do mundo da literatura ao outro. Um processo que pressupõe um sujeito que deseja - o futuro leitor, a quem a apreciação deve ser ensinada, uma vez que o gosto pela leitura não é um atributo genético (Antunes, 2013) – um sujeito que ama – o leitor e suas práticas leitoras – e um objeto de desejo: o livro, a literatura.
O processo – a alfabetização literária – acontece através de um pacto, vivido no texto não escrito (Queirós, 2011): um diálogo proposto pelo autor ao leitor. Ao mesmo tempo insondável e experimentação, a obra não escrita, a interação, é que revela o literário do pacto e “produz” a obra literária, ao mesmo tempo em que inicia o sujeito nos “segredos” da leitura.
Para a completude do processo, é interessante que exista no mediador a capacidade de selecionar “livros que fascinam” e a compreensão de que a leitura literária pressupõe “uma prática cultural de natureza artística” na qual a “interação prazerosa” com o texto lido é estruturante. Para Graça Paulino (2014) a “dimensão imaginária” garante a invenção de “outros mundos, em que nascem seres diversos, com suas ações, pensamentos, emoções”.
Um desejo - ensinar o gostar de ouvir e ler - deve orientar todo o processo.
A certeza de que, maduro, o leitor pode escolher outros laços, outras letras, outras fontes, integra o despreendimento necessário e bem vindo de parte de quem alfabetiza.

Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina