segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Letramento Literário: o conceito

O termo "Letramento literário" foi criado por Graça Paulino. Em seu livro “Das Leituras ao Letramento Literário” a autora evidencia a origem e a história desse conceito tão importante para quem estuda e ensina a literatura. O termo foi inserido no Glossário CEALE (2014). Nele, lê-se que

"Letramento literário é o processo de apropriação da literatura enquanto linguagem . Para entendermos melhor essa definição sintética, é preciso que tenhamos bem claros os seus termos. Primeiro, o processo, que é a ideia de ato contínuo, de algo que está em movimento, que não se fecha. Com isso, precisamos entender que o letramento literário começa com as cantigas de ninar e continua por toda nossa vida a cada romance lido, a cada novela ou filme assistido. Depois, que é um processo de apropriação, ou seja, refere-se ao ato de tomar algo para si, de fazer alguma coisa se tornar própria, de fazê-la pertencer à pessoa, de internalizar ao ponto daquela coisa ser sua. É isso que sentimos quando lemos um poema e ele nos dá palavras para dizer o que não conseguíamos expressar antes” (COSSON, 2014. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/letramento-literario)

Graça Paulino
Intelectual mineira dedicada à formação de professores e à reflexão sobre leitura literária em sua dimensão social, no livro Das leituras ao letramento Literário (1979-1999), Graça apresenta concepções sobre a leitura e a literatura – inicialmente – e o letramento literário, logo depois, indicando o ineditismo como pesquisadora.
Coletânea de artigos que Graça Paulino publicou entre 1979 e 1999, a obra indica quando a expressão “letramento literário” foi apresentada publicamente pela primeira vez: na reunião anual da ANPED – Associação Nacional de Pesquisa em Pós Graduação em 1999.
O tema abordado – letramento literário – é conceituado como um “processo ativo de apropriação da literatura enquanto construção literária de sentidos”. Para Graça, “o letramento literário configura a existência de um repertório textual, a posse de habilidades de trabalho linguístico-formal, o conhecimento de estratégias de construção de texto e de mundo que permitem a emersão do imaginário no campo simbólico”.
Composta por 20 artigos, a obra de Graça inicia com a publicação de um dos capítulos da dissertação e passa por diferentes ensaios sobre o livro e o leitor, práticas de seleção de leitura e a função da literatura para crianças. Em seus artigos, a pesquisadora discute a questão da falta de leitura do ponto de vista da teoria da leitura literária, questiona as funções da literatura infantil, indaga sobre como e por que lemos poesia agora e analisa criticamente a formação de professores, a iniciação e a construção do leitor. Como se pode observar, questões pertinentes ao universo da leitura e da formação do leitor em suas relações com a escola e a sociedade. É um passeio pelo que há de melhor na crítica literária e uma aula para a formação de um intelectual.
Ao questionar e responder “Para que serve a literatura infantil?”, a autora aborda, com coragem, uma instigante questão que envolve a produção e a circulação de um formato específico de arte: a literatura para crianças no Brasil. E afirma: “Não há e nunca houve uma verdadeira arte que valesse o mesmo para todos no mundo, em todas as épocas, porque as pessoas têm expectativas, preferências e repertórios diferentes. Além do mais, há as diferenças de critérios de valor que dependem fundamentalmente de cada época histórica” (PAULINO, 2010, p. 129).
Nos dois últimos artigos que estão inseridos no livro, Graça aborda mais aprofundadamente o termo criado por ela, Letramento Literário. São eles: “A formação de professores leitores literários: uma ligação entre infância e idade adulta?” e “Letramento literário: cânones estéticos e cânones escolares”.
Leia o livro, ele é raro, importante e composto por artigos selecionados, uma a um, pela autora, uma vez que registra 20 anos de sua produção. 

Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina