sábado, 29 de agosto de 2015

Um problema de pesquisa

Um pesquisador que conheço me enviou o seguinte enigma: “Como construir um problema de pesquisa? Quando penso sobre isso, constato que o problema não existe por si mesmo. Não está colocado na realidade social, gritando para ser “resolvido”. Muitas vezes está silenciado, e morrerá sem ser ouvido. Ele depende de ser inventado. As vozes que escutei, narrei ou traduzi em minhas pesquisas empíricas, ao longo da minha graduação, possibilitaram a criação de meus problemas de pesquisa. Nunca os criei antes de escutá-las” (GÓMEZ, 2015).
Debruçado sobre e iminência de concluir seu trabalho de conclusão de curso e precisando urgentemente pensar sobre o que escreve, ele argumenta: “O problema é uma pergunta. Mas, se ele surge no campo, conforme o andamento da pesquisa, então surge junto com as “respostas”. Dessa forma, tenho de formulá-lo a posteriori, quando já sei como resolvê-lo. O problema de pesquisa me parece uma presunção científica, um mito. Problemas de pesquisa são criados pelo pesquisador, quando já se sabe responde-los, então não são mais problemas. E, se são criados sem antes saber sua resposta/solução, então não é um problema e sim, hipótese” (GÓMEZ, 2015).
Buscando opinar, escrevi que problemas de pesquisa são, também, curiosidades que temos, ou seja, nem sempre um “problema” no sentido estrito da palavra. E qual seria o sentido estrito? De onde vem esta palavra tão comumentemente acionada por nós diante de um imbroglio - uma confusão, em italiano?
Segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, a palavra problema tem origem no latim e é utilizado com o mesmo sentido e adaptação do grego. Significa, nestas duas línguas, o que se tem diante de si, obstáculo; proteção, armadura, abrigo; o que é proposto, tarefa, questão, assunto controverso. E também, lançar, dar o sinal; precipitar, impedir, arrastar; colocar diante; arremeter, começar uma luta; lançar em rosto, repreender; propor uma pergunta, questão. O dicionário etimológico define problema a partir de sua raiz grega, tendo como significado "lançar-se à frente", algo que precisa ser transposto.
Assim, um “assunto controverso” que oportuniza um “lançar-se à frente” seria a melhor conceituação para um problema de pesquisa nas ciências sociais. Abriga o desejo de dar respostas ainda não dadas, problematizar mais e de outro modo algo que já foi observado, contradizer e mesmo refutar teses anteriores e, sem dúvida, observar de ângulo privilegiado. Isso tudo para lançar-se à frente. Em outras palavras, e assim como o direito garantido às fontes, em busca de voz própria, o maior problema da formação acadêmica.

Referências:
GÓMEZ, G.S.R. Apontamentos sobre problema de pesquisa. Projeto de TCC em Ciências Sociais. Pelotas: UFPel, 2015.

DICIONÁRIO ETIMOLÓGICO. Disponível online em: http://www.dicionarioetimologico.com.br/problema.

Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina