quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A fome da Água: um conto ilustrado



Cristina Maria Rosa
Bons contatos com o mundo da leitura literária necessitam de planejamento, conhecimento, disponibilidade e reconhecimento de que a escola é um bem público ao qual todas as crianças têm acesso garantido por lei. Nela, no entanto, nem todas aprendem a gostar de ler, o que é, de algum modo, uma sonegação de direitos.
Tendo como pano de fundo que a tarefa primordial da escola é inserir crianças no mundo da leitura e que esta inserção deve integrar o cotidiano[1], ter efeito duradouro, a proposição, iniciada em 2013 com um grupo de professoras no sul do Rio Grande do Sul, foi estabelecer um vínculo imediato entre autor e mediador; incentivar o mediador a ler em voz alta para seus alunos; gerar efeito duradouro da literatura com a presença do autor na escola e; produzir um resultado integrado, representado pela produção de um e-book com o trabalho integrado de escritor, professor e crianças.
Inspirada nos princípios da pesquisa qualitativa (LÜDKE e ANDRÉ, 1986) – os procedimentos desenvolvidos foram:
a) contato com os mediadores via correio eletrônico, convidando-os ao projeto;
b) envio de três narrativas infantis para que o professor escolhesse, a partir de seus critérios, o mais adequado para suas crianças;
c) leitura da narrativa escolhida pelo mediador às crianças e a ilustração da narrativa pelas crianças;
d) visita do autor à escola;
e) edição de texto e inserção das imagens produzindo um livro em mídia digital;
f) impressão de um banner com o novo formato para retorno do conto ilustrado à escola.
Tendo como produto livros em mídia digital, contou com o trabalho de professoras leitoras – as mediadoras – com as ilustrações de crianças de três a doze anos e com o trabalho do escritor que deu novo tratamento ao texto e as imagens, mesclando-os. Os resultados indicam que a proposição atingiu seus propósitos – gerar efeito duradouro da literatura integrando escritor/professor/crianças – e pode ser generalizada.
Um dos contos enviados foi A fome da águaque aborda, de maneira metafórica, o afogamento de um menino em sua piscina, em casa. Salvo, ele aprende que a água invade espaços. Importante ressaltar que a participação das crianças – ilustradoras das narrativas escolhidas como representativas do projeto, ocorreu de acordo com o trabalho desenvolvido pelas professoras. A fome da água, conto que foi ilustrado por crianças de um segundo ano (entre oito e onze anos) de uma EEEF em um bairro periférico da cidade de Pelotas, no ano de 2015, está disponível online. Se quiseres conhecê-lo na íntegra, solicite por e-mail: cris.rosa.ufpel@hotmail.com




[1] Cotidiano é aquilo que nos é dado cada dia, o que nos cabe em partilha, aquilo que nos prende intimamente ou uma história a caminho de nós mesmos, os professores foram convidados a pensar sobre os acontecimentos do dia-a-dia, rotineiros, que podem ser significados pelas pessoas a partir de seus hábitos, nos rituais que celebram no recinto doméstico ou na sala de aula, como invenções dos professores e dos alunos.








Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina