quarta-feira, 24 de junho de 2015

Pensar e expressar: relações entre Pensamento e Linguagem na primeira infância

O pensamento precede a expressão? A fala organiza o pensamento? O que é pensamento? E linguagem? Há diferença entre linguagem verbal e não verbal? Essas e outras questões estão imbricadas quando se busca saber como interagir com crianças pequenas, entre os primeiros meses de via e a chegada à escola para a alfabetização.
Cada vez mais cedo, educadores têm de saber receber as crianças e desenvolver essa “faculdade cognitiva exclusiva da espécie humana que permite a cada indivíduo representar e expressar simbolicamente sua experiência de vida, assim como adquirir, processar, produzir e transmitir conhecimento” (BAGNO, 2014, 192), a linguagem.
Como “seres muito particulares”, nós humanos produzimos “sentido por meio de símbolos” e cada um desses sinais, signos, ícones, gestos, é neutro, ingênuo, vazio de sentido e cabe à nossa capacidade de linguagem “interpretar o sentido implicado em cada manifestação dos outros membros da nossa espécie” (BAGNO, 2014, 192-193).
Há duas linguagens quando intentamos representar o que pensamos e conhecemos, o que sentimos e desejamos partilhar: a linguagem verbal e a linguagem não verbal. 
Como elas se distinguem?
linguagem verbal é aquela que se expressa por meio da palavra, da língua falada em nossa casa e cidade, em nosso Estado e País. Para Marcos Bagno (2014), “toda linguagem é sempre uma “imitação da língua”, uma tentativa de produção de sentido tão eficiente quanto a que se realiza linguisticamente”. Essa linguagem é o “sistema de signos mais completo, complexo, flexível e adaptável de todos” (BAGNO, 2014, 192-193). A linguagem verbal pode ser oral, escrita ou gestual.
Já a linguagem não verbal é a que “se vale de outros signos, não linguísticos, signos que podem ser dos mais diversos e diferentes tipos: cores, sons, figuras, bandeiras, fumaça, ícones etc. É essa riqueza de possibilidades de representação e expressão que nos permite falar de linguagem musical, linguagem cinematográfica, linguagem teatral, linguagem corporal, linguagem da dança, da pintura, da escultura, da arquitetura, da fotografia, incluindo as linguagens secretas, que exigem o domínio de códigos reservados a poucos iniciados” (BAGNO, 2014, 192-193).

Linguagem e Pensamento
Os estudos de Vygotsky (1991) indicam que o pensamento da criança pequena inicialmente evolui sem a linguagem, constituindo o pensamento pré-lingüístico[1], assim como os seus primeiros balbucios evidenciam uma forma de comunicação sem pensamento ou linguagem pré-intelectual[2].
Nos primeiros meses de vida, na chamada primeira infância ou fase pré-intelectual[3], algumas funções sociais da fala se tornam aparentes: a criança tenta atrair a atenção do adulto por meio de sons diferenciados, em variados tons e intensidades. Busca – e quase sempre consegue – obter retorno a suas demandas: colo, carinho, comida ou mesmo dormir, brincar, ouvir.
Observa-se – a partir dos estudos de Vygotsky, (1991) – que aproximadamente até os dois anos, as crianças possuem um pensamento pré-lingüístico e uma linguagem pré-intelectual, mas a partir daí, eles se encontram e se unem, iniciando um novo tipo de organização do pensamento e da linguagem.
É nesse momento que se evidencia, nas crianças, o pensamento verbal, mediado por conceitos relacionadas à linguagem e a fala racional, com função simbólica, generalizante. È nesse momento que as crianças descobrem que cada objeto tem seu nome.
A fala, então, começa a servir ao intelecto e os pensamentos começam a ser verbalizados. Assim, segundo Vygotsky, o desenvolvimento do pensamento é determinado pela linguagem, pelos instrumentos lingüísticos do pensamento e pela experiência sócio-cultural da criança.

Concluindo...
1.     O pensamento da criança pequena inicialmente evolui sem a linguagem, constituindo o pensamento pré-lingüístico;
2.     Seus primeiros balbucios evidenciam uma forma de comunicação sem pensamento ou linguagem pré-intelectual;
3.     O pensamento precede a expressão, via palavra;
4.     A fala organiza o pensamento;
5.     Pensamento é uma faculdade cognitiva exclusiva da espécie humana;
6.     Linguagem é a capacidade de expressar o que pensamos, sentimos, observamos, aprendemos;
Assim, ao interagir com crianças pequenas, entre os primeiros meses de via e a chegada à escola para a alfabetização, é importante que o educador nomeie o mundo, dando sentido às demandas dos pequenos, oferecendo a eles o universo conceitual disponível.
.
Referências:
VYGOTSKY, Lev Semenovich. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
BAGNO, Marcos. Linguagem. Glossário CEALE. Belo Horizonte/UFMG: Faculdade de Educação, 2014.




[1] Antes de dominar a linguagem, a criança demonstra capacidade de resolver problemas práticos, de utilizar instrumentos e meios para atingir objetivos. É o que Vygotsky (1991) chamou de fase pré-verbal do pensamento. Nesta fase, a criança é capaz de pegar um brinquedo que caiu atrás de um móvel. É um conhecimento prático que independe da linguagem. A inteligência utilizada para tal é considerada primária e é encontrada também em primatas.

[2] Embora não dominem a linguagem como um sistema simbólico, os pequenos também utilizam manifestações verbais. O choro e o riso têm a função de alívio emocional, mas também servem como meio de contato social e de comunicação. É o que Vygotsky chamou de fase pré-intelectual da linguagem. Essas fases podem ser associadas ao período sensório-motor descrito pelo psicólogo suíço Jean Piaget (1896-1980), no qual a ação da criança no mundo é feita por meio de sensações e movimentos, sem a mediação de representações simbólicas. "É a fase na qual a criança depende de sentidos como a visão para atuar no mundo e se manifesta exclusivamente por meio de sons e gestos, ligados à inteligência prática".
[3] A fase pré-intelectual é composta de pensamento pré-linguístico e linguagem pré-intelectual.

Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina