terça-feira, 11 de outubro de 2016

João Bez Batti 76 anos

Neste dia 11 de outubro, ao indicar um livro para os ouvintes do Programa Tons e Letras, decidi homenagear João Bez Batti. Leia o que escrevi...

Em novembro, dia 11, nosso maior escultor vivo, João Bez Batti, comemora 76 anos.
Quando guri, três ou quatro, João ia com a mãe à beira do rio.
Ela, roupas para lavar.
Ele, as pedras do rio.
Os seixos rolados.
Os fragmentos que, decepados dos grandes blocos, por tempos passados, por rolarem uns sobre os outros, tinham se tornado redondos, lisinhos, macios, quase.
Seixos.
Seixos rolados.
João era apaixonado por eles.
Pedaços circulares, encurvados, rechonchudos, orbiculares, curvados, torneados, roliços, cilíndricos, balofos, esféricos, rotundos.
De pedra.
Basaltos?
De todos os tamanhos, formavam um tapete à margem. À margem do rio em que sua mãe lavava.
Capturados um a um, levados, alguns, escondidos no mato, perto de casa.
Para rever?
Guardar?
Brincar?
De muitas cores: Incomparáveis cinzas, gradações de bege, imitações de areias, semelhanças com verdes, proximidades com pretos, alguns avermelhados.
Às margens, dispostos os seixos, como um brinquedo.
Um jogo espalhado que cabia a João reunir, comparar, apalpar, seriar, selecionar, separar, agrupar. Inventar ordens as mais diversas. Depois, recomeçar.
À distância, e mesmo bem pertinho, um cenário.
Capturado pela retina, tornou-se íntimo pelo toque.
Inverteu o jogo, o menino.
Moveu a pedra.
Domou o bruto.
João, guri, às margens, o futuro em pedras.
Naquele cenário, possível imaginar formas...
Semelhanças, pronunciamentos, reentrâncias, vales, ranhuras, parecenças...
Faces?
Esculturas.
Esculturas de João Bez Batti.
Em homenagem a esse escultor de mãos que revelam o ofício, em homenagem a João Bez Batti, o livro que hoje recomendo é “Ouvindo Pedras, da série Diários Descobertos.
Escrito por Luis Dill e belamente ilustrado por Alexandre Camanho, o livro reúne imaginação e informações verídicas sobre a infância do escultor Aleijadinho.
O exemplar que tenho, garimpei em sebos, um lugar interessante para nossos filhos, netos, sobrinhos, alunos...
Leia os autores gaúchos.
Leia Luis Dill.
Conheça nossos escultores.
Visite João Bez Batti nos Caminhos de Pedra em Bento Gonçalves.

Ouvindo Pedras, de Luis Dill.
Cristina Maria Rosa, 11 de outubro de 2016.
Ficha técnica:
Tons & Letras
Apresentação: Luís Dill
Produção: Luís Dill
Horário: Sábados, às 11h
Twitter: @fm_cultura
Facebook: fmcultura107.7


Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina