quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Entrevista sobre Pesquisa: impressos para alfabetizar

1. Como é o processo de pesquisa e busca por obras até então "escondidas", como "Meu ABC" e "Artinha de Leitura"?
Todo processo de pesquisa parte de uma curiosidade e muitas pistas. Eu estudo a alfabetização há 25 anos e seus impressos (manuais, cartilhas, livros) fazem parte desse estudo.
Descobertas, nos dias atuais, são muito raras e muitas delas, fruto de um longo período de respostas contrárias ao interesse de pesquisa.
No caso de Artinha de Leitura, de João Simões Lopes Neto, sua existência era uma lenda até 2008, quando foi encontrada em um acervo particular e doada à UFPel. No entanto, eu já havia encontrado documentos que provavam sua existência, no Arquivo Público do RS, em Porto Alegre. Ali, pude ler e fotografar duas Atas de reuniões do Conselho de Instrução Pública que datam o desejo de JSLN de tornar sua Cartilha um livro escolar e, infelizmente, a não aceitação da mesma. De posse desses documentos, pude dimensionar as pretensões do autor.
Outro documento que pertence ao tempo da lenda é Ligeira Contradita, que ainda hoje circula como um tesouro entre os aficionados por JSLN. É uma carta argumentativa, endereçada ao mesmo Conselho de Instrução Pública que recusou a publicação de Artinha de Leitura. Manuscrita por JSLN, nela o escritor pelotense tece argumentos em defesa de seu projeto e de sua cartilha, que dedicou às escolas urbanas e rurais.
Minha pergunta continua sendo: como circula entre os admiradores de JSLN uma cópia de um documento que ninguém localiza? Por que este documento, parcialmente ilegível, continua desaparecido? Se reconstruirmos seu caminho, ou seja, descobrirmos de quem cada um dos detentores da cópia ganhou a sua, será que não descobriríamos o original? E pergunto ainda: que tipo de interesse mantém esse documento longe dos acervos públicos? Fazer e, mais especialmente, responder essas perguntas faz parte de meu processo de busca.
No caso de Meu ABC, de Erico Verissimo, o processo de busca e descoberta contou com uma ampla rede de informações.
Organizada e plural, a memória preservada no ALEV – Acervo Literário Erico Verissimo – hoje depositado em Comodato no Instituto Moreira Sales, no Rio de Janeiro, permite saber o que há de e sobre Erico Verissimo. Seus originais (rascunhos, desenhos, correções, discursos, aulas, projetos, mapas) estão catalogados. Mais que isso, a fortuna crítica (tudo o que se escreveu sobre sua obra) pode ser acessado nos acervos das Universidades, digitalizados ou não. E também em bibliotecas, livrarias e sebos. Isso facilita o trabalho de um pesquisador e o posiciona a respeito de seu pretenso ineditismo. Ao ler a fortuna crítica, o pesquisador pode descobrir que é mais um, entre muitos, a estudar O Tempo e o Vento, por exemplo.
Com relação ao processo de pesquisa de Meu ABC, o abecedário de Erico que ficou “desaparecido” por longos anos (77), foi, como afirmou Glória Bordini ontem (17/12/2013), no Centro Cultural Erico Verissimo) a culminância da vida de qualquer pesquisador. Ninguém havia estudado Meu ABC. O trabalho que desenvolvi é o primeiro e, por seu ineditismo, já possui valor. Mais que isso, ao perceber que Verissimo não assinou nem datou um de seus livros – o único, aparentemente – precisei buscar fontes seguras para afirmar que, sim, Meu ABC integra seu legado, é mais um de seus livros. Assim, as fontes (documentais e orais) são fundamentais para o trabalho do pesquisador e integram seu processo de pesquisa e reconhecimento na comunidade acadêmica.
As fontes que pude contar (todas arroladas nas referências de meu livro) iniciaram pela leitura das memórias de Erico Verissimo, Solo de Clarineta (I e II) e pelos demais livros escritos por Erico para a infância (onze). Neles há muitas revelações e algumas pistas que, juntas, levam a outros livros, documentos, artigos e pessoas.
Pessoas que o conheceram profundamente (estou mencionando conhecimento literário e não apenas familiar ou amizades)estão  vivas e pude entrevistá-las. Nesse grupo, Gloria Bordini e Flávio Loureiro Chaves são as maiores autoridades e foram ouvidos por mim: Bordini, por ter inventariado o legado de Verissimo a pedido da viúva, à época. E por ter sido umas das organizadoras do ALEV; Chaves, por ter concluído Solo de Clarineta após a morte de Erico, além de ter orientado inúmeros trabalhos sobre Erico na UFRGS. Além de informações preciosas, os dois estudiosos sabem mencionar a importância de um trabalho como o meu e atestar, acadêmica e publicamente, o seu valor. Isso também constitui o trabalho do pesquisador, pois suas descobertas necessitam ser partilhadas e atestadas publicamente.
Meu ABC, o abecedário escrito por Verissimo, foi editado apenas uma vez, publicado em três tiragens (1936, 1940 e 1945) atingiu 27.500 exemplares. É muito. Como desapareceu? Essa pergunta dirigiu meu trabalho e, mesmo com respostas bastante confiáveis, ainda pergunto: Onde está Meu ABC? Como não integra acervos no RS? Como foi ignorado pela crítica literária por 77 anos?
Uma curiosidade: quando meu livro ficou pronto tendo como informação a existência de apenas um exemplar de Meu ABC no RS, brincando, anunciei a meus alunos que, no lançamento, um casal de velhinhos iria se aproximar com um exemplar nas mãos. Dito e feito: em Porto Alegre, ontem, Eda, uma senhora de 83 anos, em voz entrecortada pela emoção, veio até mim e contou sua história de alfabetização com um exemplar de Meu ABC, presente de natal da família quando criança. E mencionou o projeto cultural que o livro oferece aos pequenos de sua época. Minha pergunta depois disso: Foi sorte de pesquisador encontrar Eda?

Qual a importância da descoberta destas obras para a alfabetização e inserção da criança no mundo dos livros?
Descobrir é muito bom, dá prazer intelectual e retorno pessoal. Indica que estás no caminho certo, no foco, inserido na comunidade científica, mesmo produzindo em uma Universidade periférica, parcialmente reconhecida entre as maiores do país. No entanto, as descobertas têm de ter endereçamento e, no caso das descobertas científicas, devem estar a serviço do público. E isso não apenas porque estudo e trabalho financiada por recursos públicos. O endereçamento público, ou seja, o conhecimento para todos, é a razão de existência da Universidade.
Ao descobrir o Abecedário de Erico Verissimo, pude relacioná-lo com outros documentos de igual valor já descobertos em aproximadamente 120 anos de história de impressos para alfabetizar no Brasil. Pude também, inseri-lo na historiografia da alfabetização e pude dimensioná-lo na produção literária para a infância.
Por ter sido precedida por outras pesquisadoras, entre eles Glória Bordini, Iole Trindade, Maria do Rosário Longo Mortatti e Regina Zilberman, no mapeamento e categorização de impressos para letrar no Rio Grande do Sul e no Brasil, é que me tornei a pesquisadora que sou. Isso significa dizer que ninguém pesquisa sozinho, que ninguém se inventa do nada. Pelo contrário, me espelho em procedimentos e trajetos já percorridos, aprendo com a tradição teórica e metodológica quando me aventuro em buscas. A ideia de superar um conhecimento anteriormente assentado está, do meu ponto de vista, equivocada. Penso que acrescentamos, mesmo ao discordar. Só por reconhecer o que há anteriormente é que nos lançamos em busca do desconhecido e nem sempre um conhecimento novo ou publicado recentemente significa melhor, maior, mais importante.
Respondendo a segunda parte de tua pergunta
acerca da importância da descoberta destas obras para a inserção da criança no mundo dos livros eu diria que as crianças de hoje têm muitas possibilidades de conhecer o significado da leitura e, mesmo assim, poucas conhecem.
Estudos me levaram a concluir que o que mais faz falta, no processo de significado, é a atitude do mediador. Mediador é a pessoa que apresenta o livro à criança e pode ser o pai, a avó, a mãe, um irmão mais velho e também o professor. Diferente do professor, os demais não têm essa obrigação. Podem ou não saber da importância do livro na vida de uma criança. O professor não. Ele tem obrigação de saber e de mediar o processo de aprendizagem do gostar de ler.
Ao descobrir uma obra antiga, que inseriu crianças no mundo da leitura, posso dimensionar como isso se dava em 1936, por exemplo, tempos em que minha mãe era criança. E posso, então, apresentar a meu filho, um vínculo que só aparentemente é familiar, mas que faz parte da história da infância, primeiro, e da história da alfabetização em especial. E isso não é pouco!

Como vês o atual momento da literatura de alfabetização no Brasil?
Repleta de impressos de qualidade em termos de conteúdo e forma, a literatura que pode ser acionada por um professor no processo de letramento de crianças é muito facilmente encontrada. Chega até as escolas através de políticas públicas como o PNBE/MEC, por exemplo, mas também através de outros eventos de letramento que ocorrem na sociedade (saraus de leitura, indicações de amigos e colegas, sebos, bibliotecas temáticas, feiras do livros, diálogos com autores). Assim, o professor não pode mais dizer que não há o que ler. No entanto, estamos nos tornando uma sociedade mais letrada, culta, por causa disso? Em parte. Como eu afirmei, mediador é quem apresenta ao leitor o livro e o significado da escrita na sociedade. Esse mediador tem de ser leitor e não qualquer leitor. Tem de ler obras de qualidade, ter critérios para a escolha do mostrar aos pequenos. E isso não se adquire espontaneamente. O mediador deve ser educado e esse processo ocorre, ou deveria ocorrer, preponderantemente, na Universidade.

Existe alguma outra pesquisa em andamento relacionada alguma obra a ser encontrada?

A vida de um pesquisador só tem início, ele está, por princípio, sempre interessado em novas descobertas. No momento, estou em busca de outros exemplares de Meu ABC e, acredito, eles vão aparecer. Se assim for, poderemos ampliar o acervo, hoje restrito a um original em um local público. A presença da imprensa em nosso trabalho é fundamental para isso, uma vez que chega onde a Universidade nem imagina estar. A senhora Eda, que conheci ontem, é um atestado dessa possibilidade. Leu no jornal que haveria um diálogo sobre Meu ABC de Verissimo em Porto Alegre, e, sozinha, de transporte público, foi até lá, se apresentou, contou sua história. Assim, ontem mesmo “descobri” um novo exemplar de Meu ABC. Eu repetiria a pergunta: sorte de pesquisador?
Essa entrevista foi concedida a Leon Sanguiné, Jornalista do Diário Popular, em 18/12/2013, por email.



Nenhum comentário:

Alfabeteando...

Olá, bem vindo!

Um "Alfabeto à parte" foi criado em setembro de 2008 e tem como objetivo discutir a leitura e a literatura na escola. Nele disponibilizo o que penso, estudos sobre documentos raros e meus contos, além de uma lista do que gosto de ler.

Em 2013 concluí pesquisa sobre o Abecedário Ilustrado Meu ABC, de Erico Verissimo, publicado pelas Oficinas Gráficas da Livraria do Globo em 1936. O lançamento do livro e sua repercussão estão no Blog. Alguns artigos sobre a pesquisa também. Leia e dê sua opinião.

A novidade, em 2015, foi a inauguração da Sala de Leitura Erico Verissimo, um sonho antigo que agora se realiza. Em 2016, o processo de restauro da Biblioteca na Escola Fernando Treptow, inaugurada em 25 de novembro.

Em 2017 estou produzindo a Biografia de João Bez Batti. Através de relatos pessoais nos quais a criançaque João foi é a personagem principal, recosntruo, com narrativas litetárias, seu descobrimento como escultor. Bilíngue (português e italiano) o livro tem data para ser lançado: 11/11/2017.

Abraço

Cristina